Usted está aquí: Inicio / 2017 / (português) Trabalhadores Portugueses em luta contra o Capital Monopolista e o Governo do PS!

(português) Trabalhadores Portugueses em luta contra o Capital Monopolista e o Governo do PS!

ICOR (International Coordination of Revolutionary Parties & Organizations) 27.09.2017

 

No dia 30 de Agosto 2017 a Autoeuropa em Palmela paralisou pela primeira vez desde a sua fundação para um dia de greve. Quem está contra quem?

Por um lado um dos maiores monopólios do mundo: O grupo Volkswagen, agora conhecido como criminosos ambientais.

Do outro lado estão 4.000 trabalhadores, que cerca de metade estão em condições precárias.

Agora a exploração deve ser reforçada ainda mais: Com a introdução de um sistema de 3 turnos e o sábado como dia regular de trabalho e dois dias livres juntos de três em três semanas. Com a ameaça do grupo, para deslocar a produção do novo modelo T-ROC a SEAT Martorell (Espanha), a maioria da Comissão de Trabalhadores rendeu-se à chantagem. Concordaram com o plano da empresa. Isto são as políticas de cooperação de classe.

 

Os trabalhadores rejeitaram em votação a continuação da cooperação de classe e tomaram a questão da ação com as próprias mãos com um dia de trabalho negado. Nem um único carro saiu da fábrica. Este é o caminho da luta. Os trabalhadores da Autoeuropa receberam solidariedade e apoio de outras fábricas da Volkswagen e além (http://www.iaar.de).

 

Depois de anos de negociações infrutíferas, também os enfermeiros disseram "Basta!". A greve de cinco dias espalhou-se por Portugal em Setembro. Aqui quem está contra quem?

De um lado o governo PS/Costa, apoiado pelo PCP e BE e do outro milhares de enfermeiros.

Exigem entre outros a semana de 35 horas para todos, maiores salários, reconhecimento do trabalho especializado, subida automática de escalão após três anos . Em 2009 foram congelados todos os salários ao mesmo nível pelo governo de Passos/Portas em nome da "Troika".

Quem é esta "Troika"? É uma instituição que organiza o saque de países singulares em nome do capital financeiro internacional único dominante. Foi o governo PS/Sócrates que os trouxe para Portugal, e o governo Passos/Portas fizeram essas leis e o governo PS/Costa continua com este rumo, e por isso o Ministro da Saúde Adalberto Campos Fernandes descreveu o protesto dos enfermeiros como ilegitimo, ilegal e imoral. Não sem razão os enfermeiros pedem a sua demissão.

A linguagem da luta já entendeu o governo. Ele declarou-se pronto para a semana de 35 horas e nada mais. Assim podem contar com mais greves. Também os enfermeiros precisam de uma ampla solidariedade - não só entre si mas também com outros trabalhadores, tais como a Autoeuropa.

Não é útil quando a liderança da UGT descreveu a greve dos trabalhadores da Autoeuropa como um ato de enorme irresponsabilidade. Isto só prejudica a luta.

A luta da classe operária requer a unidade, não a divisão. Esta é uma das grandes lições da história do movimento operário internacional. A importância fundamental da unidade proletária tornou se evidente há 100 anos na preparação e implementação da Revolução de Outubro na Rússia em 1917 que derrubou o sistema de exploração capitalista. O capitalismo mundial entrou em choque tão forte que caíu numa Crise Geral, que continua até hoje.

Os princípios desta grande revolução proletária ainda hoje são válidos:

 

A classe operária é a única força revolucionária que pode derrubar o capitalismo. Com os seus aliados, ela deve derrubar a ditadura do capital, tomar o poder do Estado e estabelecer a ditadura do proletariado. Socialismo significa não só o fim da exploração e da escravidão salarial, mas também a liberdade e a verdadeira democracia para as amplas massas de todos os trabalhadores.

A cozinheira deve aprender a governar o estado, disse Lenin.

 

Tudo isso só é possível se a classe operária criar uma forte liderança com o seu partido revolucionário, que é capaz de liderar a luta praticamente e teoricamente correcta e permanecer fiel à causa da classe operária.

 

A revolução proletária é parte da luta da classe operária internacional para a sua libertação. Hoje, isto significa: preparação da revolução socialista internacional para o estabelecimento dos Estados Socialistas Unidos do Mundo.

 

Neste mês de Outubro de 2017 celebram-se os 100 anos da Revolução de Outubro. Depois de décadas de construção bem sucedida do socialismo, o movimento operário sofreu com o derrube do Campo Socialista devido ao revisionismo a derrota mais pesada da sua história. Esta traição revisionista tornou a ideia do socialismo em dúvida em muitas pessoas.

 

Apesar de tudo isto, muitos partidos e organizações revolucionárias têm persistido na construção do partido revolucionário e fundaram a ICOR em 2010, para coordenar as atividades dos revolucionários do mundo e reforçar a cooperação. Entretanto inclui ca. 50 organizações.

Em Portugal de momento nenhum partido marxista-leninista ou organização revolucionária participa na ICOR.

Por isso nós os Amigos da ICOR em Portugal anunciamos que, neste mês de Outubro de 2017 vai realizar-se na Alemanha um seminário de quatro dias organizado pela ICOR, onde estarão presentes Organizações Revolucionárias dos vários cantos do Mundo que estão integradas na ICOR para comemorar os 100 anos da Revolução de Outubro reafirmando os princípios e ideais que estão mais atuais que nunca.

 

Em conjunto analizaremos e discutiremos os velhos e novos problemas criados pelo capitalismo e o imperialismo, que a cada dia que passa destroi todos os direitos conquistados pelos trabalhadores e impõem leis laborais com horários de trabalho e salários que lembram o tempo da escravatura com a degradação constante das condiçoes de vida do ser humano.

 

O capitalismo e o imperialismo prosseguem também numa velocidade atroz a destruiçao do Planeta, com roubo e destruição de todos os recursos, com guerras e destruição de paises para roubar todas as suas riquezas naturais provocando genocídios e a fuga de milhões de refugiados. Neste caos impõe-se a palavra de ordem: ou a Revolução destroi o capitalismo - ou o capitalismo destroi a humanidade.

 

Solidariedade com os enfermeiros e os trabalhadores da Autoeuropa!

 

Avante com a ICOR!

 

27.9.2017 amigosicorportugal@gmail.com

914395728

 

Acciones de Documento